Blog Itubombas
Bem-vindo ao nosso blog

Acompanhe tudo sobre
bombeamento

Neste canal publicamos artigos sobre conceitos, tipos de equipamentos, aplicações, etc., para ajudá-lo em sua busca por informações sobre bombas.

image.png

Quando associar bombas em paralelo?

  • 01/11/2020

Frequentemente, a vazão requerida em um projeto de bombeamento não pode ser atendida por um único equipamento e a solução para driblar este desafio é apostar na associação de bombas em paralelo. Mas não para por aí. Como explicamos no post sobre associação de bombas em série, os motivos que levam à associação dos equipamentos vão além e incluem situações em que:

·  Há projetos de bombeamento de grande porte, onde se faz necessária a soma da vazão;

·  Há variação da vazão do projeto com o decorrer do tempo;

·  O cliente possui bombas disponíveis de vazões menores, possibilitando a associação delas em paralelo;

·  Não há bomba que atenda a vazão total requerida;

·  O custo de duas ou mais bombas menores é inferior ao de uma bomba de maiores dimensões para fazer o mesmo serviço.

Quando se faz necessário variar muito a vazão de um projeto, bem como atender grandes demandas de vazões, uma das opções de instalações mais indicadas é a associação em paralelo, no qual duas ou mais bombas recalcam para uma única tubulação ou para tubulações independentes, de modo que cada uma contribua com uma parcela da vazão total.

Uma das vantagens deste método é que, caso uma das bombas pare de funcionar, não acontecerá a interrupção completa do sistema, mas, sim, apenas uma redução da vazão bombeada. Além disso, a associação em paralelo permite uma certa flexibilização operacional, pois uma vez que a vazão é variável, é possível retirar ou colocar bombas em funcionamento de acordo com a necessidade.

Confira, na imagem abaixo, como este sistema se apresenta:

É importante ressaltar que, quando operando em paralelo, as bombas centrífugas terão a mesma altura manométrica total. Em outras palavras, para a mesma altura manométrica, as vazões correspondentes se somam. Em complemento, para traçar a curva resultante de uma associação de bombas neste formato, basta plotar para cada altura as vazões correspondentes, tantas vezes quanto forem as bombas operando em paralelo.

Gostou do post e quer saber mais sobre outros tipos de associações? Clique aqui e confira nosso conteúdo sobre associação de bombas em série.